sábado, 8 de junho de 2013

Never Give Up

3º Temporada - 29º Capítulo



[Olhou-me e disse: Sabe, eu ouvi dizer que...quando uma mulher está grávida, ela acaba perdendo o desejo sexual e quando a criança nasce, ela perde completamente e só pensa no bebê. 
Ele ficou quieto, e terminou: Você não está fazendo isso comigo, está?]

Falei surpresa: É claro que não amor. De onde você tirou isso?
Ele disse tranquilo: Eu estou falando sério. Se você estiver passando por isso, pode me falar, porque eu não vou te culpar, mas vou ficar chateado.
Falei: Eu não sei por que você está falando nisso agora. 
Ele segurou minha mão e disse: Eu te conheço, e sei que você não está confortável com essa situação.
Falei: Eu te juro, que estou normal. Eu só ando muito cansada no fim da tarde.
Ele assentiu e disse: Isso quer dizer um não?
Eu iria responder, e ele disse: Nem uma rapidinha? Pode até ser semi-nua.
Ri e falei: Do que está falando? Eu não respondi nada ainda.
Ele riu e disse: Gostou do semi-nua, vai?
Ri novamente e falei: Como você é tonto.
Fui para mais perto dele e falei: Eu gosto de ficar assim com você.
Abracei-o na barriga e ele disse: Eu também gosto, mas eu sou homem e essa sua camisola está me matando.
Olhei para ele e falei: Então vamos fazer assim. -Ele assentiu- Faça o que tem vontade. 
Ele olhou-me e disse: Mesmo?
Assenti e falei: Mas tem que ser agora. Ele sentou-se direito na cama, olhou-me nos olhos e lambeu os lábios quieto. Tirou a regata e deixou-a ao lado dele.
Arqueei as sobrancelhas esperando que ele fizesse algo, e ele logo veio para cima de mim, com uma força jamais sentida antes. Ele me deitou na cama e passou a me beijar nos lábios, como se nunca tivesse sentido o gosto do meu beijo. Ele parecia completamente desligado do mundo, se é que posso dizer assim. Sua ferocidade era tanta, que ele tentava me degustar em apenas beijos. Estava sendo algo fora do comum. Ele forçava suas mãos na cama, até suas veias saltarem e ficarem visíveis a olho nu. Apesar de tudo, ele parecia estar segurando sua força. Mas eu não tinha do que reclamar, eu estava amando aquilo. Me dá vontade de querer sempre mais. 
Ele mordeu meu pescoço como se quisesse tirar um pedaço de mim. Ele desceu as mãos sob meu corpo, moldando-o até as minhas pernas e continuou a beijar-me nos lábios. Parecia que independente de tudo o que ele fazia, o beijo estaria sendo o mais necessário. Eu chegava a ficar sem fôlego, mas mesmo assim eu não parava. Eu queria ver até onde ele iria. Ele se negava a abrir os olhos enquanto beijava os meus ombros, fazendo com que eu soltasse breves gemidos. Voltou a beijar-me nos lábios e pela primeira vez depois de tempos, manifestou-se com a voz carregada, seguida por um suspiro: Essa era a minha vontade. Te beijar até perder a respiração. 
Falei tentando parecer provocante: Só essa era a sua vontade?
Ele negou com a cabeça e disse ainda deitado em cima de mim: Você sabe que não. Mas como eu sei que a sua irmã pode chegar a qualquer momento, se eu começasse, não iria conseguir parar.
Concordei e falei: Garoto esperto. Então você não começou? 
Ele fez que não com a cabeça e disse: Você sabe que não. E eu não sou um garoto.
Falei: Por que você só fala que eu sei das coisas? O que você é então?
Ele deu os ombros e disse: Porque você me conhece e sabe meu jeito de agir e pensar. 
Assenti e ele se aproximou: E outra, eu sou um homem, o seu homem.
Dobrei o lábio debaixo e olhei pra ele: Está certo, gostei da atitude.
Ele sorriu e beijei-o, que pegou na minha cintura e disse: Não vamos abusar, mas até um certo ponto nós podemos.
Ele me colocou em seu colo, deitada e desceu as mãos até a minha bunda. Beijou-me nos lábios e ficamos ali, um bom tempo apenas aos beijos. Confesso que fazia um bom tempo que não nos beijávamos tanto, de uma vez só. Parecia que estávamos há um ano sem nos ver. Pra mim foi quase isso. Tudo bem, acho que exagerei.
Ele brincava com os fios de meus cabelos ainda com os olhos fechados e a cabeça apoiada no travesseiro.
Mordi a ponta de seus lábios com pouca força, o que fez com que ele abrisse os olhos e disse: Que mania de morder. Isso dói
Sorri pra ele e falei: Não dói tanto assim. 
Ele disse: Vem aqui que eu te mostro como dói. 
Neguei com a cabeça e dei um selinho de leve nele, antes que pudesse retribuir a mordida.
Justin riu e disse: Espertinha. 
Voltei a deitar-me ao seu lado e ele segurou minha mão. Acariciou a mesma e fixou seus olhos na tv.
Falei: Sabe no que eu estava pensando?
Ele disse: No que?
Dei os ombros e falei: Você acha que seremos bons pais?
Justin afirmou com a cabeça e disse rápido: Com certeza. Você tem dúvidas disso?
Falei: Não, mas eu estou meio insegura. 
Ele olhou-me e disse sorridente: Não fique insegura. Faremos tudo como deve ser, e seremos ótimos pais.
Concordei e sorri: Seremos.
Ele olhou-me pelo canto dos olhos e disse: Então o nome já está decidido?
Falei sorrindo: Eu pensei em Brian ou Julie. Você gosta?
Ele balançou a cabeça e disse: Brian é muito bonito, mas Julie é comum. E eu que sou o responsável pelo nome da menina.
Falei: Então ficamos entre Brian ou Jake e Allissa ou Julie. Certo?
Ele negou com a cabeça e disse: Você teve a ideia de Julie, e tinha que ser eu.
Revirei os olhos e falei: Qual a segunda opção de menina então?
Ele disse: Valentina. 
Falei: Eu já disse que é um nome muito grande. Tem que ser outro. 
Ele colocou a mão no queixo e disse: O que você acha de Julie? É um nome bonito. 
Cerrei-o com os olhos e falei: Está falando sério Justin? Eu que dei essa ideia.
Ele riu e disse: Sim Seu nome. Mas eu que dou a ideia de menina. 
Falei: Eu gostei tanto de Brian. Você acha que fica bonito? Brian Bieber.
Ele concordou e disse: Seria um nome de classe, gostei.
Falei: Também acho. Ai, quando conversamos sobre isso, eu fico cada vez mais ansiosa. 
Ele disse: Eu também. Quando soubermos se será menino ou menina, ficaremos ainda mais ansiosos.
Concordei e ele disse: Você sabe, não é? Que teremos dois ou três filhos. O segundo será do sexo oposto e com o nome que escolhemos, e o terceiro a gente resolve.
Esperei ele terminar de falar, e falei boquiaberta: Está falando sério? 
Ele concordou e disse: Por que eu não estaria?
Falei: Eu tenho 18 anos e ainda estou grávida do meu primeiro filho. Você já está pensando no terceiro?
Ele riu e disse: Calma, até lá já estaremos casados.
Dei tapas de leve nas costas dele e falei: Coitado, já está pensando em casamento. 
Justin sorriu e disse: Você demora demais para pensar no futuro.
Meu celular tocou e falei: É mensagem, veja ai. 
Ele lei e disse: Sua irmã está chegando.
Assenti e ele disse: Por acaso, você pediu para ela te avisar quando estivesse chegando?
Falei: Pedi.
Ele disse: E por que você não me avisou? Eu estava todo preocupado com isso e você nem mencionou que ela iria nos avisar.
Sorri sem graça e falei: Eu nem lembrei disso. 
Ele soltou um riso e disse: É.
Dentro de segundos a Megan abriu a porta do quarto e encostou-a. Nos olhou e sorriu feito boba. Certeza que estava um pouco bêbada. Justin percebeu e ela disse: Vocês não viram nada, tá?
Assentimos ao mesmo tempo e ele segurou a risada. Ela pegou uma troca de roupa no guarda-roupa e logo saiu do quarto.
Ele riu e disse: Ela é engraçada bêbada.
Ri e falei: Você não viu nada. 
Deitei-me e ele disse: Está com sono?
Falei: Sim, acordei muito cedo hoje.
Ele disse: Eu não estava, mas agora estou um pouco. 
Justin deitou-se e enganchou seu braço em volta da minha barriga. Puxei a coberta até a região dos ombros e ele disse: Boa noite princesa.
Virei o rosto para ele, e dei-lhe um selinho. Ele deu-me um beijo no rosto e fechei os olhos para dormir. 
Ouvi a Megan abrir a porta, mas me recusei a abrir os olhos.
Cochichei: Ela está vestida?
Ele riu e disse no mesmo tom que eu: Com uma calça e uma blusa de pijama. Relaxa.
Assenti e ri. Pelo menos ela teve o senso de vestir o pijama no banheiro. 

           Justin pov [...]

Nada melhor do que acordar e ver que ela está ao meu lado, toda delicada com seu corpo enrolado na coberta. Tive que sair cedo de lá, logo após o café a Seu nome me deixou no aeroporto e eu fui para o meu voo particular. Foi a mesma coisa de sempre, porque ela disse que eu vou sumir se novo, mas eu não vou. Entrei sorridente no meu avião particular. Pelo jeito eu estava sozinho, fora o piloto, claro. Deixei minha mochila em cima do sofá e liguei o som bem alto, em uma música relaxante mas com a batida forte e alta. Peguei uma garrafa d'água no frigobar e deitei-me na poltrona de frente para a tv e ao lado da janela.
Tirei o celular do bolso e fiquei vendo nossas fotos, eu tenho tantas fotos antigas, que a nossa primeira do álbum é de quando estávamos na casa do babaca do Harry, no ano passado que deu o maior problema entre eu e ele, porque ele deu em cima da Seu nome na cara dura. As vezes lembrar dessas coisas me faz perceber o quanto o tempo passou rápido, o quanto tudo mudou. Parece que foi ontem que descobrimos a segunda primeira gravidez dela, se é que me entende. E acabamos brigando feio por isso, porque eu fui um idiota de duvidar dela. Como eu pude imaginar que essa criança não era minha? Enfim, isso já passou e agora estamos muito bem, graças ao bom Deus. Continuei vendo nossas fotos e haviam várias dela sozinha, que eu achava no celular dela e enviava para o meu sem que ela soubesse. Na verdade, eu sempre faço isso, mas ela nunca soube, eu acho.
Fiquei ouvindo a música e relaxando deitado. É tão pouco tempo de voo, que em um piscar de olhos eu já chego. Mesmo assim é bom ter esse tempo sozinho uma vez por semana, porque eu me sinto relaxado e tranquilo.
Percebi que aterrizamos e após esperar um pouco, levantei-me. Vesti a jaqueta e meu boné. O piloto abriu a porta para mim e disse: Chegamos Senhor Bieber.
Peguei minha mochila e falei: Obrigado. Desci a pequena escada e estava tudo vazio.
Falei: Cadê o meu carro?
Ele apontou para a frente e disse: Está logo ali, já conferi e a chave está no contato.
Assenti e falei: Está certo, obrigado.
Caminhei pela estrada onde estava o avião até o carro que eu comprei aqui, uma ducati prateada. Entrei no carro e estava vazio. Deixei minha mochila no banco ao lado e liguei o carro. Coloquei meus óculos escuros, já que estava um sol forte. Daqui até o apartamento, não dá mais do que 15 minutos. Lá eu tenho sorte que não sou fotografado todos os dias, só nas noites quando eu e o Ryan saímos para jantar, jogar boliche e nos divertir. Pelo menos eles não sabem onde eu estou morando, então já está de bom tamanho.
Comprei dois apartamentos, já que futuramente viremos ao Brasil e várias pessoas virão junto. Um deles o Dustin fica com a mulher e o filho, e no outro eu divido com o Ryan. Esse mentiroso disse que viria assim que eu me mudasse, mas eles veio há duas semanas. Os quartos são um ao lado do outro, então tem uma porta que liga os dois, ao invés de precisar sair e tocar a campainha da casa ao lado.
O meu quarto é bem grande, e a banheira é ainda melhor, mas nada supera a da minha casa, em Calabasas. Temos um quarto de sobra, com uma televisão enorme para jogar video game. Cheguei no apartamento, e fui direto para o estacionamento. É tão bom estar morando à beira da praia. E o melhor, é que quase nunca está lotada, porque os moradores trabalham muito, então só as crianças vão com as suas babás. 
Estacionei na minha vaga, já que eu comprei 3 e desci do carro com a mochila nas mãos. Entrei pela recepção e fui direto para o elevador. Apertei no 10º andar, e fiquei me admirando no espelho. Olhei no relógio do pulso e ainda são 13h. Preciso comer alguma coisa. Não contratei nenhuma empregada para o apartamento, porque não seria apropriado, então a esposa do Dustin se ofereceu para me fazer as refeições, já que ela sempre faz. Fui para o meu andar e caminhei até as ultimas portas. Peguei a minha chave e abri-a. Ao entrar, parecia estar vazio. Joguei minha mochila no sofá e fui direto para o meu quarto. Joguei-me na cama com os braços abertos e suspirei. Olhei para a janela e o sol refletia forte. Tirei os óculos, o boné e a jaqueta.
Meu celular vibrou no bolso, era o Dustin:

Ouvi que você chegou Justin. Seu almoço está pronto, e o Ryan deve estar chegando, então ele passa aqui e vocês já almoçam”.

Ele fala passar aqui, como se fosse longe. A porta da minha sala dá para a sala dele.

“Beleza, eu espero. Muito longe mesmo”.

“Está precisando de alguma coisa?”

Agora está tranquilo, obrigado”.

Antes que a Seu nome começasse a reclamar que eu acho melhor mandar um sms para ela avisando que eu já estou aqui e está tudo bem.

“Já estou no apartamento amor. E sim, já estou com saudades de você”.

Mesmo que eu não comente muito com ela, eu estou mais do que ansioso para saber se será uma menina ou menino. Eu sempre quis ter um filho homem primeiro, e depois uma menina, mas agora eu estou indeciso. Quero tanto uma filha para poder chamá-la de minha princesinha, Allissa, Alli, Lissa. Ou até mesmo se for Valentina. Valery é um apelido bonito, mas a Seu nome não quer um nome muito grande. Se for menino, eu gostei de Brian porque é um nome elegante, e bem melhor do que Logan e Jake, não que sejam nomes ruins, mas entre esses eu gostei de Brian. Mesmo assim, ainda acho que pode ser uma menina. 
Fui longe com os meus pensamentos, e voltei ao normal ao ouvir meu nome.
Ryan gritou: Justin, você está aqui?
Respondi ao me levantar: Estou cara.
Fui até a mesa e lá estava ele, com os pratos na mesa e indo até a geladeira.
Ele disse: Como foi a "viagem"?
Fez aspas com as mãos e falei sorridente: Foi boa, mas com restrições, se é que me entende.
Ele riu e disse: Claro que eu entendo. Motivo?
Nos sentamos e falei: Divide o quarto com a irmã. 
Ele balançou a cabeça e disse: Você está com problemas.
Ele riu e falei: Será por pouco tempo, eu espero.
Ryan disse: Mas quando mais ou menos ela poderá viajar?
Dei os ombros e falei: Daqui uns dois meses. É bastante tempo.
Ele disse: É, mas passa rápido cara, relaxa.
Falei: Eu quero ver você relaxar, com um corpo daquele em uma camisola toda furadinha preta.
Ele puxou a respiração e disse: Nossa Bieber, ai complica de vez. 
Assenti e ele disse: Eu sei que você não  gosta que eu fale, mas a Seu nome tem um corpo...
Sorri e falei: Eu não gosto mesmo, mas você está certo. Ela é demais.
Ele concordou e voltamos a almoçar. O Ryan fala as vezes que a Seu nome é linda, que ela tem um corpo único, como se ele já tivesse visto muita coisa, mas eu não ligo muito, já que ele sempre anda com as garotas dele. Apesar disso, ele é o único que fala e eu não fico enciumado, eu acho. Ela é minha mesmo.

                                       Continuo na segunda

Buenas para vocês meninas. Bom, agora como eu já disse, vou adiantar o tempo nos capítulos porque esperar esses meses passarem não vai ser fácil. Dentro de 5 caps vocês saberão o sexo do bebê, se não me engano. Obrigada por todas que estão lendo e pelos comentários. Amo vocês. Beijos.

11 comentários:

  1. 5? CRLH vou morrer continuua Lets . JOS10 FAFADÃO . Bjo e continuua logo .

    ResponderExcluir
  2. O Justin tá mt safado . Ele fica 35 dias sem dar sinal de vida e vem cheio das ozadia pra cima "de mim " .

    ResponderExcluir
  3. continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa dva e divulga pra mim http://imaginebelieberdreamspossible.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. awwwn adoro eles discutindo sobre o nome do baby!!! continua beijoos @_soutodinhasua

    ResponderExcluir
  5. hum justin safadinho kkkkkkk ate eu to ansiosa pra saber se é menino ou menina.
    @fuckswagjb

    ResponderExcluir
  6. Ahhh eu quero o Justin pra mim lele hahaha continua(CLARO) Estou amando demais ngu ,olha ñ pode acabar é muito perfeita!! Bjus
    @dudinhagarcia2

    ResponderExcluir
  7. Kalline Swaag :D9 de junho de 2013 06:28

    Julie foi eu que dei a Ideia ne ? Awwn Brian Mto lindo esse nomme *u*! 5 caps Le ? Aaah :( kllkk Taa Perfeitto *-* Bjos @MyKidrauhlJus10

    ResponderExcluir
  8. ahhh ta perfeito.. amo o nome Brian, continua Let please bjo

    ResponderExcluir
  9. não vai continuar não ??

    ResponderExcluir